top of page

Composições


Relação integral de composições musicais de autoria própria ou co-autoria em variados níveis de parceria.


As composições estão também desmembradas em relações específicas por tipo de obra, gênero, formação instrumental e outras categorias, como segue:


COMPOSIÇÕES (Coro)

COMPOSIÇÕES (Canto e Piano)

COMPOSIÇÕES





O termo composição, conforme aqui compreendido, engloba todo tipo de obra em que o viés musical tem papel fundamental na concepção, ainda que a participação na criação se restrinja a elementos de outras modalidades criativas, como poesia, vídeo/cinema, teatro, imagem/fotografia e outras.


Também não se limita a uma unidade criativa, uma peça única. Pode se referir a um conjunto de obras (ciclo, ópera, suíte) ou, no outro extremo, por uma breve passagem (cue) de uma cena teatral ou cinematográfica. E, ainda, a individuação de cada peça pode se estender a casos de escrita diferenciada (instrumentos diferentes, textos diferentes).



A CANÇÃO DO REI DE TULE (canto e piano)

A CANÇÃO DO REI DE TULE (coro a cappella)

A DERRADEIRA LÁGRIMA

A ESTRELA DO AMOR

A FRANÇA NA RUA

A GRANDE AVENIDA

A HOUSE AND A HEART

A MULHER DE PEDRA

A QUEM QUER TODAS AS NOTAS

À TARDE SONHAMOS

ACALANTO 1970

ACHADOS E PERDIDOS NO PARAÍSO DE MIL TONS

ACRÓSTICO PARA GUIDO D´AREZZO

ADÊ (Casa de Boneca)

ALBEDOS

ALMA DE SAUDADE

AMENO RESEDÁ

AMENO RESEDÁ (coro a cappella)

AMENO RESEDÁ (coro a cappella e piano)

ANTIGA MUSA

ARQUITEXTURA

ÀS MÃES DE PORTUGAL

ATOL

AUTO-EPITÁFIO N. 2

AVE MARIA (2005)

BANDEIRANTE

BECO AFRO REGGAEZINHO

BELEZA ANGELICAL

BIG BLUES BRAZIL

BRAVA GENTE

BREVE

CAMPO DE ESTRELAS

CANÇÃO DA EPÍGRAFE

CANÇÃO DE BARTIRA

CANÇÃO DE COR (coro)

CANÇÃO DE COR (canto e piano)

CANÇÃO DE DOIS

CANÇÃO DE EXÍLIO FACILITADA

CANÇÃO DE NÚPCIAS

CANÇÃO DE PASSAGEM

CANÇÃO DE VÉSPER (coro a cappella)

CANÇÃO DO APOCALIPSE: Em Torno do Trono

CANÇÃO DO AVATAR (Comigo Me Desavim)

CANÇÃO DO EXÍLIO

CANÇÃO DO EX-IDÍLIO

CANÇÃO DO EXÍLIO (QUASE) SEM PALAVRAS

CANÇÃO DO EXÍLIO SEM PALAVRAS

CANÇÃO DOS SANTOS DA CASA

CANÇÕES DE ELÍSEO (ciclo)

CANÇÕES DO EXÍLIO (ciclo)

CANÇÕES DOS SANTOS DA CASA (hiperciclo)

CANTATA

CANTEI A OLHAR AS RECLAMES

CÂNTICO-CANTIGA

CANTIGA DE VERÃO

CANTO CONTIDO

CANTO DE SUMÉ

CANTO MARCIAL

CANTOCHÃO (Playground)

CANTORIA: EVÉM DO MAR

CANTOS DAS 1001 NOTAS

CARROSSEL

CHORO MEDIEVAL

CHORUS (BIS)

CICLO-TIL-DE-CANÇÕES (ciclo)

COLO DE ALABASTRO (Eu Vi Narcina Um Dia)

COMO ARMAR UM PRESÉPIO

CONCHA DE REBOLTALHOS (ciclo)

COSTA MATER

CONTINENTEÚDO

CRUEL PARTIDA

CRUEL PASTORA

CRUEL SORTE

CURITIBA

DA MAIS LINDA MELODIA

DE BRINCOS DOURADOS

DE PALAVRA, DE PALAVRAS

DECIFRASE

DEPOIMENTO

DEPOIS, O SOL

DEU-SE A LUZ

DIZ QUE TEM

DO ES TU DO ES TU DO (ciclo)

DOCE ORAÇÃO

DOIS POEMAS DE E. E. CUMMINGS

DOIS SONETOS PARA DERMINDA

DONA BIBI

DOZE POR OITO

DUAS VEZES TRÊS CANÇÕES FORA DE TOM (ciclo)

E QUEM QUER TODAS AS NOTAS?

ENCONTRO

ESTRANHO FRUTO

ERA UMA VEZ UM GURI

ES TU DO ES TU DO (1976)

ES TU DO ES TU DO (1990)

ES TU DO ES TU DO (1996)

ES TU DO ES TU DO (2007)

ETERNO ALÉM

EU GUARDO DENTRO DE MIM

EVA MARIA

FEIJOADA COMPLEXA

FITA VIDA

FRAGMENTOS

FÜR BABETTE

GLAUBER ROXY

GOETHOVEN

GRAFITO (1985)

GRAVITANDO

H2 O

HÁ CANÇÃO

HAICAI

HINO AO SONO

HISTÓRIA DE PESCADOR

ÍMÃ

IMPREVISÕES DO TEMPO

INCERTO ADEUS

INCOMPREENSÍVEL

INFANTASIAS MUSICAIS N. 1

INÍCIO DA VILA

ISOTERMAS

LÁGRIMA CHUVA

LAMENTO ÁRABE

LAR D´ALÉM-MAR

LARGO LUAR

LEAD SOUND SONG

LIÇÃO DO PÓ

LIRA DE AMBROSIA (ciclo)

LUZ MEDITERRÂNEA (1978)

LUZ MEDITERRÂNEA (1979)

LUZ MEDITERRÂNEA/NO OLVIDO DO TEMPO (1995)

MENINA BRIOLANJA

METASSONATA

MODULINHAS

MORTE-COR DE MARINHA

MOTETO E GLOSAS

MUSICA PARADISO: O BEIJO COLADO

NA ROLANÇA DAS ÁGUAS

NEO NÓE

NEWTON E A MAÇÃ DE EVA

NO BELO ERÍDANO AZUL (canto solo)

NO BELO ERÍDANO AZUL (duo)

NOVAS MODINHAS VELHAS CANÇÕES (ciclo)

O GOSTO DA MAÇÃ

O JARDIM DAS CONFIDÊNCIAS

O MUSEU DE IMAGENS DO INCONSCIENTE FICA NO ENGENHO DE DENTRO

O TURISTA INCIDENTAL

O VÔO LIVRE DA MÚSICA, ALÉM DA BARREIRA DO SOM

ODE

ODE À AMIZADE

ODE AOS BAIANOS

ONDAS DE ONDE VAGAS

OS CORALEIROS

OUTREM, AO LUAR

OUTREM, AO LUAR: Minhas canções dos outros (ciclo)

P QUATRO D (P4D)

PATRÍCIA

PARALAXE

PARALAXE ZERO

PARTITURA

PEÇA CARACTERÍSTICA

PEÇA RECICLADA N. 1

PEQUENOS CONTRASTES

PIE EN TIERRA

POR UM DOCE OLHAR

PRA FAZER MEU SAMBA

PRA VOCÊ QUE SABE DAS COISAS

PRELÚDICO

PRENASCENÇA

PROMETEU ACORRENTADO

QUANDO AO ALÉM ME FOR

QUARENTA E QUATRO POR QUARENTA E QUATRO

QUEM É JOSÉ?

QUESTA VOLTA PER SEMPRE

QUIET

REBOLE A BOLA

RECREIO

REQUIEM (1985)

REQUIEM (2005)

ROMANCE DE ROBIN

SALADA DE FRUTAS

SAMBA DE CAMÕES

SAMBA-EXALTAÇÃO (1982)

SAMBA-EXALTAÇÃO (1996)

SAUDADEAR

SE LIGA NO LANCE

SÉCULO VINTE

SEIS POEMAS

SERENATA ATROZ

SERENATA VINTE E QUATRO HORAS (Serenata 24h)

SILENTÍSSIMO

SIMPLES ASSIM

SINFONEMA

SMILING NOT CRYING

SÓ HÁ AMOR NO BATER DE ASAS DOS PÁSSAROS

SOFTLY AS YOU WALK

SOLILÓQUIO

SOLO SOLENE

SOMEWHERE IN TIME ELSE (Elsewhere in Time)

SUAVE MARIA

SUEÑO CONTEXTOS PARA UNA CANCIÓN SIN TEXTO

SUÍTE CHANCHADA

TÁCITA MÚSICA

TEM QUEM CANTE

TEMAS DE CINEMA (ciclo)

TERRA FOFA

TERRAS À VISTA

THEN

TREM DE POUSO

TREZE DE JUNHO

TWENTIETH-CENTURY FOX-TROT

UM DIA DO HOMEM

UM POUCO DE CÉU, UM POUCO DE MAR

UM QUASE SER (canto e orquestra)

UM QUASE SER (canto e violoncelo)

UMA FLOR, QUALQUER JARDIM

VAGAS DO MAR SEM FIM

VALSINHA ATROZ

VAZ EM PAES (ciclo)

VÊ QUE É SÓ

VELHA MODINHA

VERDE VERTENTE

VILANCETE

WASSERHAHNMUSIK

XE TUPI

YO SOY





CANÇÃO DO EXÍLIO SEM PALAVRAS (1991)

piano e cena

estréia: Terão Chebl

Santos, 09/10/91 (III Bienal Nacional de Santos)


CHORUS (BIS) sobre canção de Pixinguinha e Índio (1987)

coro misto a 4 vozes

estréia: Madrigal Ars Viva (reg. Roberto Martins)

Santos, 29/09/87 (XXIII Festival Música Nova)


COSTA MATER (2007)

orquestra, coro misto e quarteto vocal

gravação em 2008 para a trilha sonoro do espetáculo A Fundação da Vila de São Vicente São Vicente, janeiro de 2008.


DIZ QUE TEM (1986) - sobre canção de Vicente Paiva e Anibal Cruz

coro misto

estréia: Madrigal Ars Viva (reg. Roberto Martins)

Santos, 30/08/86 (XXII Festival Música Nova)


es tu do es tu do (1990-rev. 1996)

poema: L.C.Vinholes

coro misto a 4 vozes

estréia: Madrigal Ars Viva (reg. Roberto Martins)

Santos, 25/08/90 (XXVI Festival Música Nova)

GOETHOVEN (1977)

narrador, dois pianistas-atores, fita, grupo de atores, cantora

estréia: Madrigal Ars Viva (reg. Roberto Martins)

Santos, 09/10/77 (XIII Festival Música Nova)


GRAFITO (1985) com Gilberto Mendes e Roberto Martins

poema: José Paulo Paes

cena e fita

estréia: Madrigal Ars Viva - cena de Gilio Melo

S.Paulo, 24/08/85 (Festival Música Nova)


HAICAI (1972)

poema: Gil Nuno Vaz

grupo vocal e percussão

estréia: Quorum

Santos, 1972 (III FeMPo - Festival da Música Popular da Baixada Santista)


LIÇÃO DO PÓ (1985)

poema: Gil Nuno Vaz

coro em uníssono e percussão

estréia: Madrigal Ars Viva (reg. Roberto Martins)

S.Paulo, 24/08/85 (Festival Música Nova)


LUZ MEDITERRÂNEA (1978)

poema: Gil Nuno Vaz

coro misto e instrumentos

estréia: Madrigal Ars Viva (reg. Roberto Martins), Ewerton Gloeden (violão), Hersília de Araújo Duarte (violino), Wilson Mello (flauta) e Gil Nuno Vaz (bandolim)

S.Paulo (MASP), 23/09/78 (Compositores Brasileiros - Primeiras Audições)

LUZ MEDITERRÂNEA (1979) poema: Gil Nuno Vaz

coro misto e instrumentos

estréia: Madrigal Ars Viva (reg. Roberto Martins), Ewerton Gloeden (violão), Hersília de Araújo Duarte (violino), Wilson Mello (flauta) e Gil Nuno Vaz (bandolim)

Santos, 1979

MOTETO E GLOSAS (1976)




O MUSEU DE IMAGENS DO INCONSCIENTE FICA NO ENGENHO DE DENTRO (1986)

poema: Gil Nuno Vaz

canto, clarinete e piano

estréia: Eladio Pérez-González, Walter Alves de Souza e Berenice Menegale

Belo Horizonte, 20/06/86 (III Ciclo de Música Contemporânea)


OS CORALEIROS (1978)

poema: Gil Nuno Vaz

coro misto a 4 vozes


O VÔO LIVRE DA MÚSICA, ALÉM DA BARREIRA DO SOM (1985)

texto: Gil Nuno Vaz

cena e fita

estréia: Madrigal Ars Viva - cena: Gil Nuno Vaz e Roberto Martins

S.Paulo, 24/08/85 (Festival Música Nova)


PEÇA RECICLADA N. 1 (1995)

orquestra sinfônica

estréia: Orquestra Sinfônica Municipal de Santos (reg. Luís Gustavo Petri)

Santos, 15/07/95 (Teatro Municipal)


PRENASCENÇA (1978) - Paralaxe

poema: Gil Nuno Vaz (Colombo)

canto e quarteto de cordas

estréia: Heloisa Castellar Petri e Quarteto Martins Fontes

Santos, 17/10/78 (XIV Festival Música Nova)


REBOLE A BOLA (1980)

coro infanto-juvenil a 3 vozes

poemas: Gil Nuno Vaz, e textos de canções e jogos infantis


REQUIEM (1981)

poema: Raul de Leoni (Transubstanciação) e texto litúrgico

coro misto e declamador

estréia: Madrigal Ars Viva (reg. Roberto Martins) e Nélia Silva

Santos, 06/09/81 (XVII Festival Música Nova)


SAMBA-EXALTAÇÃO (1982) - variação encomiástica sobre poema de Carlos Drummond de Andrade

poema: Gil Nuno Vaz e citações diversas

coro misto

estréia: Madrigal Ars Viva (reg. Roberto Martins)

Santos, 27/08/82 (XVIII Festival Música Nova)


UM DIA DO HOMEM (1984)

poema: Jorge Luis Borges

coro misto a 2 vozes

estréia: Madrigal Ars Viva (reg. Roberto Martins)

S.Paulo, 18/08/84 (Festival Música Nova)


WASSERHAHNMUSIK (1973)



XE TUPI (2007) ZUM ZUM SEEBLICK

bottom of page