top of page

Mote Perpétuo


A edição de 2009 da encenação A Fundação da Vila de São Vicente, segundo sugeriram as palavras do diretor Tanah Corrêa, teria uma abordagem a partir da visão dos índios e dos portugueses degredados.


No espírito dessa concepção, uma das primeiras propostas de composições submetidas à avaliação da direção foi uma canção (Se Liga no Lance) sobre os lusitanos que vinham ao Brasil como alternativa penal.


Uma expressão de perplexidade foi a receptividade manifestada por parte da equipe diretora. Um estranhamento do tipo "o que isso tem a ver?"


No contexto geral da dinâmica teatral, com o texto da canção subtraído, a melodia ficou e, principalmente, o substrato rítmico.


Mas, de resto, a trilha voltou à mesma aura do ano anterior (A Fundação da Vila de São Vicente - 2008), em que o porte sonoro destacava a grandiosidade do colonizador. Mote Perpétuo é, talvez, o exemplo mais fiel dessa rendição. A peça é uma junção de três pequenos trechos, introduzidos em momentos diferentes do roteiro teatral, mas que funcionam musicalmente como um todo.




Mote_Perpetuo_I
.pdf
Fazer download de PDF • 56KB
Mote_Perpetuo_II
.pdf
Fazer download de PDF • 28KB

Mote_Perpetuo_III
.pdf
Fazer download de PDF • 38KB


















































Comments


bottom of page