top of page

Grafito (1985)


Em 1985, a comissão artística do Madrigal Ars Viva decidiu montar um programa eclético, mantendo o conceito de repertório usual do coro, ou seja, a convivência do antigo e do novo, mas ampliando a mistura de tradição e ruptura, erudito e popular, som e cena, estética e política, e outras dicotomias.


Uma das peças foi Grafito, que resultou de uma conversa informal entre Gil Nuno Vaz, Gilberto Mendes e Roberto Martins. Gil, que assim como Gilberto gostava muito dos poemas de José Paulo Paes, apresentou a proposta de se fazer uma peça conjugando poesia falada, ruído musical e cena.


Ao final de algumas ideias e sugestões, a peça ganhou uma solução de consenso, e coube a Gil escrever a partitura-roteiro.




Grafito_1985
.pdf
Fazer download de PDF • 69KB




Comments


bottom of page