top of page

Pasodoble


No início dos anos 60, um rancho carnavalesco desfilando pelas ruas da Vila Belmiro, nas proximidades do estádio esportivo do Santos Futebol Clube, cantava uma marcha-rancho cujo refrão dizia "as histórias de amor são sempre assim, Colombina, Pierrô e Arlequim". Uma melodia em modo menor, bem ao estilo do gênero. Numa hipótese de que o tal grupo carnavalesco fosse o Bloco da Bola Alvinegra, várias tentativas infrutíferas foram feitas, junto a representantes do setor cultural no clube, para se buscar a autoria. Infrutíferas não apenas na identificação do nome, ou nomes, mas pelo completo desconhecimento da canção.

Cerca de 60 anos depois, ao desenvolver uma das peças da série Temas de Cinema, a ideia de incorporar esse trecho da letra emergiu de uma percepção casual que revelou uma natural adaptação prosódica entre o texto e a melodia de um dobrado (Século Vinte) escrito por aquela época. E também num processo muito direto, quase imediato, a melodia do dobrado se mostrou receptiva a um trecho de outra marcha-rancho, essa largamente conhecida: Máscara Negra, de Zé Kéti.

Finalizada, essa canção ganhou o título de Pasodoble, passando a integrar a SUÍTE CHANCHADA, e consequentemente, o ciclo TEMAS DE CINEMA.


Pasodoble
.pdf
Fazer download de PDF • 45KB

PASODOBLE


Sempre assim são as histórias de amor

Colombina, Arlequim e Pierrô

Sou aquele Arlequim

Que ´tava a fim

E você ficou

Naquele carnaval que ficou

Na história


E as histórias de amor são sempre assim

Colombina, Pierrô e Arlequim

Sou o Pierrô

Que te abraçou

E que te beijou

Naquele carnaval que se foi, passou.








Comments


bottom of page