top of page

O Alfaiate



- Muitos bons dias, senhorita, em que podemos ajudá-la?

Primeiro contato de Audite Nova com o Alfaiate.

Muitos bons dias, senhorita, em que podemos ajudá-la?


Nova? Desculpe-me, acho que não entendi direito seu nome.

Audite Nova? Bem peculiar! Mas em que lhe posso ser útil? Estou curioso, pois há cerca de meia hora, junto a este balcão, acompanho o movimento da rua pela porta, e notei que esteve quase todo o tempo a olhar para cá, da calçada do outro lado da rua, sentada a um banco da praça.

Foi só uma observação, não há porque se desculpar.


Nosso guarda-livros? Posso lhe fornecer o endereço dele. Se calhar, talvez o encontre ainda hoje. Ficou de passar por aqui a pegar alguns papéis.


Ora, pois, então não se trata de falar com ele? Deixa-me intrigado.


E quer falar comigo? Sobre mim? Fico mais intrigado ainda!


Não, não vejo qualquer problema em ajudar. Mas certamente gostaria de saber do que se trata, o que motiva ou ordena o seu interesse. Penso, a princípio, que busca informações sobre o ofício do guarda-livros, dos serviços profissionais que me presta.


Não é assim? Talvez um procedimento fiscal...


Estou mais perplexo ainda. Quer então saber do meu próprio ofício, da minha história? De como me tornei alfaiate e cheguei a montar este negócio em Santos?


É uma longa história. Começa em Portugal, no final do terceiro quartel do Século 19, com um inseto, o filoxera. Conhece a história?

Não? Então isso vai tomar um tempinho. Acho melhor nos sentarmos. Aceita um cafezinho?


Ó Aprendiz, por favor, prepara aí um café, e traz também alguns biscoitos para acompanhar. Obrigado.

Por favor, sente-se, enquanto aguardamos. Permita-me, vou tirar o paletó. A estas horas do dia, o tempo já fica bem quente. Mas, enquanto aguardamos o café, por que não me conta um pouco de sua história? Talvez evite que eu me perca em detalhes dispensáveis, poupando-lhe de uma escuta enfadonha.



Sei, sei.. Hum... Se bem entendi, a senhorinha faz parte de uma organização chamada Auditorium, especializada em investigações atuariais. Documentos fiscais, livros contábeis, balanços...

Ah!... Compreendo. Mas, como chegaram ao interesse pelo meu guarda-livros e por mim?

E esse baú, o que tinha de tão importante a ponto de a destacarem para vir ter aqui comigo?

Queira me desculpar, não tive intenção de ser indelicado. Mas, que outra reação poderia ter ante tal informação? Certo que é perturbador saber, de repente, que existem relatos de ligações pessoais entre nós. E feitos por quem? Um anjo? Poderia ficar indignado, talvez. Ou perplexo. O fato é que me parece tão descabida a situação que se torna hilariante. Um anjo que anda a escrever sobre mim!

Ora bem, que já chegou o cafezinho. Posso lhe servir? Gosta com pouco ou muito açúcar? Aceita um pãozinho?


Desculpe, desandei novamente a rir, que quase me engasguei. Deixa-me apanhar o guarda-napos, que já me recomponho.


Pronto, prometo que não me ponho mais a gargalhar, que já estou deveras envergonhado.


Comentarios


bottom of page