top of page

Uma aproximação entre três teorias semióticas


No alto, Greimas e Peirce (dir/esq) e, à frente, Lotman. Representantes das semióticas francesa, americana e russa.

Entre as diversas teorias semióticas, três alcançaram posição preferencial entre estudiosos e pesquisadores: a vertente americana, fundada nos escritos de Peirce; a vertente francesa, cujo nome de referência é Greimas; e a vertente russa, cujos representantes - Lotman e outros - não são tão destacados quanto a sede acadêmica da denominada Semiótica da Cultura, a Escola de Tartu.


O uso que se faz dessas teorias na abordagem das questões de significação geralmente é excludente, ou seja, a escolha de uma delas descarta a utilidade, ou funcionalidade, das outras para os propósitos analíticos, no mínimo por não apresentarem comparável adequação ou eficácia.


Esta breve reflexão sobre a plausibilidade de uma aproximação entre as três teorias parte da premissa de que a teoria de matriz peirceana, por ser a mais abrangente (muitas vezes rotulada como de base fenomenológica), pode incorporar as outras duas. Salvo investigação mais apurada, Peirce não deixou pontes construídas para o estabelecimento de campos de pertencimento ou sequer vínculos funcionais.


Mas a sua rede de classes de signos (a básica de dez classes, e o desdobramento em 66 classes) é uma ferramenta que permite divisar, no interior desse arcabouço, elementos e fundamentos das semióticas narrativa e discursiva (Greimas) e da Cultura (Tartu).


Obs. O artigo, que não chegou a ser publicado, foi apresentado como comunicação num simpósio na Universidade Católica de Santos, em 2001.


Uma_aproximacao_entre_tres_teorias_semioticas
.pdf
Download PDF • 18KB

コメント


bottom of page